Monday, June 14, 2010

Contrastes ao pequeno almoço

Ele acordou cedo, olhou para ela e sorriu. Paula fez-lhe uma caricia no rosto. Levantaram-se, sózinhos em casa. Ela abriu os estores, deixando entrar o sol. Começou a pôr a mesa do pequeno almoço, sem pressas, com uma ternura cuidada, ageitando as flores na jarra. Aqueceu o leite , deitou-o na chávena, juntou o café. Bebeu-o sem açucar , como de costume. Abriu o iogurte para ele, preparou uma fatia de pão. Sentaram-se os dois sorrindo, aproveitando aqueles últimos momentos.
Ele levantou-se, vestiu o casaco, abriu a porta pegando nas bagagens que ela ajudou a arrumar no carro que o levaria de novo para longe. A manhã estava linda! Beijaram-se uma vez mais.

- Quinta -feira à noite já lá estou - sussurou ela ...

Fecou a porta. Entrou em casa. Lembrou-se de um outro "pequeno almoço" em tudo contrastando com este

Déjeuner du matin (Jacques Prevert 1946)
Il a mis le café dans la tasse
Il a mis le lait dans la tasse de café
Il a mis le sucre dans le café au lait
Avec la petite cuillère il a tourné
Il a bu le café au lait
et il a reposé la tasse
Sans me parler
Il a allumé une cigarette Il a fait des ronds avec la fumée
Il a mis les cendres dans le cendrier
Sans me parler sans me regarder
Il s'est levé Il a mis son chapeau sur sa tête
Il a mis son manteau de pluie parce qu'il pleuvait
et il est parti sous la pluie sans une parole
Sans me regarder

Et moi j'ai pris
Ma tête dans ma main

Et j'ai pleuré

4 comments:

pinguim said...

Comovi-me...

greentea said...

pinguim

era deste pequeno almoço que te falava há dias ...

Justine said...

Belíssima a tua história, pungente o poema do Prévert:))
Beijo

greentea said...

justine
nem todos os pequenos almoços são agradáveis, doces, ternos ...nem todos os dias começam assim mas estes pequenos nadas dão-nos ânimo para continuar o dia a dia monótono, cansativo, aberrante , por vezes.

Quanto ao petit déjeuner de Prévert acompanha-me há muitos anos , tal como outros poemas dele que acho belissimos