Monday, March 10, 2008

A menina de sua mãe



Lembra-se daquela manhã de quinta-feira , como se fosse hoje. Levantaram-se cedo para ir à consulta , em Lisboa. Na véspera preparara a mala com o indispensável, para o que desse e viesse. Estava cansada da gravidez , da barriga grande a evitar~lhe certos movimentos, da dificulfdade em ver os próprios pés ou de enfiar os collants... Além do mais , o marido tinha os dias de férias contados, viera de tão longe expressamente para estar com ela na altura do nascimento e a miúda não se despachava... Andava nervosa por tudo isso enquanto se mentalizava para que não acontecesse uma cesariana, que seria o caos para ela , sem ninguém para a ajudar.
Naquela quinta-feira de sol bem radioso, foi atendida na consulta. Fez os exames de rotina e no final a médica disse-lhe: Está tudo bem, vá comer qualquer coisa leve que vai entrar para a sala de partos ...
Era tudo o que ela queria ouvir. Foram os dois almoçar, falaram de trivialidades e das rotinas que havia em casa para fazer, dos cães e das pessoas a quem dar a noticía. Já estava há muito decidido pelos dois que ela entraria sozinha na Maternidade, sem assistência, de comum acordo e que ele iria para casa. Ela queria assim; ele preferia que assim fosse.

Preparou-se como lhe haviam dito, deitou-se no quarto indicado e aguardou, desejando aquele momento único , que decerto não se repetiria mais, mentalizando-se para que o parto fosse normal. A tarde foi-se escoando sem que desse conta das horas; de vez em quando a médica vinha saber como estava. Pela porta entreaberta ouvia o bulicio nos corredores, o chinfrim que uma das mulheres fez quando mordeu a enfermeira, dizendo que se atirava da maca abaixo, apesar de já ir no 3º filho...
De repente, tão de repente que não o pôde evitar, um urro saiu-lhe da garganta. Acorreram logo médicos e enfermeiras, levaram-lhe a cama para a sala de partos e transferiram-na cuidadosamente para a marquesa própria sem que percebesse o que estava a acontecer.
Faça força, faça força - dizia a Dra Leonilde , para logo a seguir colocar a sua menina em cima da barriga. Olhavas tudo à tua volta, com olhos de ver o mundo , lembro-me como se fosse hoje e eras linda . Nasceu às 23.05h -disse a enfermeira quando te pôs a pulseira no braço e levou-te para a pediatria. Sentia-me atordoada mas feliz.
Enquanto me levava para o quarto, o maqueiro perguntou-me se queria uma chávena de leite, que àquela hora a cozinha já tinha fechado. Bebi o leite morno e pedi~lhe um favor , já que não havia telemóveis nem eu tinha dinheiro comigo: ligue para este número e diga que correu tudo bem, que amanhã lhe pago. Foi assim que o Pai soube que já tinhas nascido.
Mal dormi em toda a noite, de manhã cedo mandaram-me levantar para ir tomar duche e no regresso já estava o teu bercinho ao pé de mim. Dormias tranquilamente. Fiquei a contemplar-te sem saber como lidar contigo, sem saber como nos iríamos entender, temendo que algo falhasse.
Pouco depois chegou o teu Pai, carregado de flores e com um sorriso nos olhos que nunca antes lhe vira.
Foi há vinte anos . Mas lembro-me como se fosse hoje.

15 comments:

marian said...

Gente feliz com história...
Parabens as duas meninas e ao menino da história verdadeira!!!
Beijinhos
Marian

Pitanga said...

Podes imaginar o meu carinho por ti neste momento? Nada me emociona mais do que a história de uma mulher-mãe. É um momento único na nossa vida. Nada se iguala a ele. E sempre nos lembramos com detalhes.

Felicidades a todos e em especial à tua lindinha!
beijinhos de Pitanga Doce

JoJosho said...

See Here or Here

Magri said...

Que bonita maneira de comemorar o aniversário (é isso, não?) de uma filha!
Os meus parabéns para as duas! 20 anos já é uma idade mágica, e então com uma mãe a lembrar o começo desta maneira...

Obrigada também pela tua mensagem e por teres feito exactamente o que eu pedi: são pormenores que nem sempre vemos, e que às vezes fazem toda a diferença.

Beijinho grande.

Espaço do João said...

Os momentos mais felizes da minha vida ,foi quando nasceram meus filhos. João

Sophiamar said...

Lindíssimo! Recordar é viver. Viagens no tempo que tanto prazer nos dão.

Beijinhosssss

Rose said...

Olá, obrigada pela visita no meu caminho.
Fiquei feliz por vcs gostarem e tratarem nosso povo brasileiro com respeito e carinho.
Tenho muitos amigos que estão por aí, em Portugal, dissem que vcs são adoráveis.
Valeu!!!
Viu que homenagem fofa???

Rose said...

Em tempo.
Sua filha tem a mesma data de nascimento que a minha...ela deve ser muito fofa e lindinha...ahahahahahah.
Modestia.

O Profeta said...

Passou o dia sobre as cidades
Esquecido por esta estação
Uma flor deposita no vento uma semente
Este ribeiro leva consigo a ilusão

Secretamente a terra a recolhe
Guarda-a da voragem do vento
Espera que água a fecunde
Explode a vida a cada momento


Boa semana

Doce beijo

sorrisos da minha alma said...

Nunca esquecemos...
Feliz aniversario para tua filhota.Parabéns a ti.
Beijos

sa.ra said...

Muitos parabéns à mãe à menina!

:)

dia muito feliz!

sa.ra said...

Bem sei!!!

Beijo com pós de perlimpimpim!

amigona avó e a neta princesa said...

Ainda que atrasada parabéns às duas! É tão bom recordar, não é amiga?! Muitas, muitas felicidades...

Rosario Andrade said...

Lindo, lindo!!!!!
Felizmente hoje em dia os papas ja se envolvem mais no processo. Eu ainda estou a espera desse momento magico...
beijicos e parabens

Isabel Santos said...

Olá Greentee!
Lindo o teu texto...
Parabéns à filha e à mãe desta história e, já agora, ao pai também.

Um beijinho muito especal para ti