Saturday, March 8, 2008

Dia da Mulher - A Retrosaria

Era sexta-feira e o dia fora longo para Helena. Sentia-se doente e cansada e com vontade de se estender no sofá, bem aconchegada.O marido ajudou-a a fazer o jantar e à noite trouxe-lhe leite quente e um medicamento para tomar mas um frio febril entranhava-se-lhe nos ossos e não dormiu bem.
Na manhã seguinte, quando se levantou tinha um ramo de rosas vermelhas à sua espera , que afinal sempre era Dia da Mulher e um mimozinho não fica mal a ninguém ...
Decidiu ir ao médico. Na recepção estava uma mulher e lá dentro no gabinete foi atendida por uma médica, talvez angolana, com aspecto evoluido e extremamente agradável, que lhe receitou coisas totalmente diferentes do habitual mas que logo se revelaram muito eficazes. Ficou bem impressionada.
Ali mesmo ao lado, há uma retrosaria - loja da sua perdição, onde gosta de ir comprar fitinhas , linhas e trapinhos para os seus bordados. A dona estava ao fundo da loja a falar com uma outra mulher : ... pois, ele caíu , só me disse que sentiu uma tontura e não se conseguiu levantar mais, fui chamar alguém para ajudar, liguei para o 112 mas quando chegaram nada havia a fazer - já tinha morrido. Foram sessenta anos juntos, com seis anos de namoro, que nunca conheci outro homem e ele agora não vem. Fico à espera que ele chegue, mas ele não vem mais ...
Era Dia da Mulher e ela chorava o seu homem , a saudade que sentia das vidas partilhadas desde sempre, o filho deficiente que não compreendia a falta do pai , as flores que ninguém mais lhe daria .
Entraram outras mulheres, clientes antigas duma loja que mantém as portas abertas , fornecida de todos estes materiais que já é dificil encontrar noutros locais, onde nos sabem aconselhar e dar sugestões para certos trabalhos. Mas hoje Helena ficou sem palavras, perante tamanha dôr, uma partida assim tão brusca, sem uma explicação, sem um adeus, sem tempo sequer para um gesto de ternura

5 comments:

barrista said...

Ainda se vão encontrar!
2 beijinhos e bom domingo

Pitanga said...

Pequenas coisas que nos passam no dia a dia e só nos fazem avaliar o que temos.

beijos Greentea e melhoras à "Helena".

Isabel Santos said...

Olá!
Bonito post amiga... deve ser muito difícil perder de um momento para o outro o companheiro de uma vida. Deve ser um pouco como perder o chão e o sentido do que ainda temos pela frente. Mas essa senhora tem o filho que precisa dela, não é o mesmo claro, mas é um boia de salvação. Espero que já esteja tudo bem contigo.
Beijinhos

125_azul said...

Trouxeste imagens tão bonitas... há algo mágico nas retrosarias, nas mercearias, nas livrarias antigas e nas múltiplas mulheres que as frequentaram ... beijinhos para ti e que o teu dia tenha sido feliz

Pandora said...

Que triste :(
Não tenho mais palavras.
Beijos.