Saturday, November 8, 2008

Parábolas budistas





Parábola das três ervas medicinais e dois tipos de árvores"
Há muitas espécies de flores, árvores e ervas, diferentes em tamanho, forma e denominação. Ao redor do mundo, há uma nuvem densa e vasta, que faz com que a chuva caía em todas as partes. Evidentemente, a chuva molha o solo ressequido e, como resultado, as árvores, ervas e plantas de todos os lugares são nutridas e crescem. A água que cai da nuvem é imparcial, mas plantas recebem humidade conforme sua natureza e crescem de acordo com sua espécie. Embora as árvores e as ervas sejam grandemente diversificadas em tamanho e em natureza, suas raízes, ramos, galhos, folhas, botões e frutos crescem graças à mesma chuva.
Nesta breve parábola, Sakyamuni mostra a benevolência imparcial do Buda.
O aparecimento do Buda é como a vasta nuvem que envolve o mundo inteiro. O Buda revela a verdade da vida a todas as pessoas sob diversos ângulos. Ele ensinou a Lei igualmente para todas as pessoas. Entretanto, como elas diferem quanto à capacidade de compreensão, o desenvolvimento de cada uma é diferente. Dessa forma, algumas continuam no estado de Alegria, outras, no de Erudição e outras, no estado de Absorção. Sakyamuni compara os três tipos de ervas e dois tipos de árvores com esses estados de vida. As ervas inferiores correspondem às pessoas no estado de Tranquilidade e Alegria; as ervas comuns, às de Erudição e Absorção; e as ervas superiores, às de Bodhisattva que buscam a auto-perfeição.
Quanto às árvores, as pequenas indicam os bodhisattvas que dedicam a vida ao caminho do Buda, praticando sempre o altruísmo. As árvores grandes indicam os bodhisattvas que se esforçam para salvar muitas pessoas. Sakyamuni diz: "O ensino imparcial do Buda pode ser comparado à chuva. Entretanto, a compreensão das pessoas difere, assim como as plantas e as árvores recebem diferentemente a chuva". Mas a chuva benéfica acaba, no final, nutrindo todas as espécies de plantas e árvores, fazendo com que, sem exceção, dêem flores e frutos.
Extraído da revista Terceira Civilização Julho/99
Preciosa Colaboração de Charles Chigusa - Tóquio - Japão
chigusacharles@hotmail.com

As Mais Belas Histórias Budistas - http://www.vertex.com.br/users/san

5 comments:

rouxinol de Bernardim said...

Simples e pedagógico. Gostei!

Violeta said...

E mais um dos teus preciosos ensinamentos.
Obrigada!

Justine said...

Uma bela lição de budismo. Obrigada:))

Pitanga Doce said...

Vou fugir do assunto mas não posso me calar. Houve um ano que nesta data deixaste no ar um cheirinho a castanhas. Que pena que acabou!

beijos, menina das avelãs

Pitanga Doce said...

Há castanhas lá na árvore. Mas não são das tuas.

Imagino o "grízio" que estava por lá.