Friday, February 15, 2008

Cartas de amor

Nas gavetas da minha Avó encontrei um caderno de cartas de amor, escritas
no inicio do século passado. Esta tem data de 20 de Outubro de 1911 e reza assim:


Minha querida Maria
Necessito ver-te, falar-te e só assim respirarei ventura, o aroma dos anjos, o ar vital da consolação do teu amor.

Quero lutar e trabalhar. Trabalho é vida e agora mais do que nunca preciso dela, para ti principalmente. Com a ociosidade, morre-se. Diz um antigo prolóquio que ninguém morre em jornada ou véspera de casamento.

O trabalho rodeia-me de mil influências, que me violentam; o mundo inteiro pára sobre mim, é verdade, mas nenhuma outra força é igual à do carácter. O homem à maneira de todos os seres da natureza é tanto mais homem quanto maior é a energia que ele manifesta.

Esta energia que acorda em mim espontaneamente, aumentada pelo abalo violento que o teu amor me produziu, coloca-me no estado de ser obrigado a querer. E querer é poder.

Foi cumprindo com abnegação os meus deveres profissionais que consegui atravessar nos maus tempos idos, as duras privações e os iminentes perigos da minha existência física e moral.
O dever, como a lança de Aquiles, cura as feridas que abrem.

A história da minha vida é uma cadeia sucessiva de torturas em silêncio. Aceitei sempre com benevolência todas as afrontas da sociedade e venci-me a mim mesmo. A memória do que tenho sofrido não tem palavras.

Foste tu a borboleta que me trouxe a boa nova, quando eu vagava neste mar de corrupção.

Como eras linda chorando naquela noite de suplicio (lembras-te?) em que me confessaste o teu amor, que por tanto tempo me ocultaste! E essas lágrimas caindo-me no coração dizem-me que nunca poderei esquecer-te. Divinizei-te, pois, em meu coração e nada destruirá o meu ídolo. Ninguém te derrubará do pedestal em que te ergui.

Eu poderei sair daqui sozinho dia 29 à noite e hospedar-me aí sem que ninguém o saiba, em qualquer hotel, por exemplo no Avenida. No dia imediato 30, irias ali visitar-me. Saberei respeitar a tua virtude. Aí fica o alvitre. Se merecer a tua aprovação indica-me a hora em que devo esperar para ter tudo prevenido.
Vou 5ª feira a Coimbra acompanhar ...
Um longo beijo do teu

12 comments:

Paula said...

Mas que maravilha de carta, onde sentimentos voam ao sabor da corrente!

Abraço

Pandora said...
This comment has been removed by the author.
Pandora said...

Que lindo :)
agora é teléles para cá e para lá.
já não há romantismo.
Beijos.

Espaço do João said...

Sou daqueles pouco parvos que ainda acredita em romantismos.Cartas de Amor quem as não teve? Há sempre um papelinho que se deixa cair em lugar secreto. Não é o coração um lugar secreto? Também acredito no sinismo e, no amor secreto que por medo ou vergonha não é demonstrado. João

Meg said...

Quanto não valem essas "jóias"!
E não me refiro ao valor material mas à memória tão viva e tão imensamente distante dos dias de hoje.
Guarda-as Geen... são documentos valiosas de uma época.

Um abraço

Mocho-Real said...

Que delicada ternura! Como eram belos esses tempos!

Um abraço.
Jorge G.

Pitanga said...

O valor do papel! Guardam letras e perfumes...

gisela cañamero said...

deixei um desafio para este blog na cigarra...

Um Momento said...

Que beleza de sentires...


Grata por tão bela partilha

Beijo imenso

(*)

Angela Ursa said...

Greentea, que beleza de carta de amor! E um documento histórico!
PS: Acabei de ver essa matéria especial sobre chá verde e lembrei de você:
http://bonsfluidos.abril.com.br/livre/especial_cha_verde/index.shtml

Beijo da Ursa

D'age said...

Olá greentea.
aparede nesta faceta que não conheces.
Ah pois vais ter de descobrir porque há lá pistas...

戴佩妮Penny said...

That's actually really cool!AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,a片,AV女優,聊天室,情色