Wednesday, October 10, 2007

Viver a vida

" Se eu pudesse viver novamente a minha vida, na próxima trataria de cometer mais erros. Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais. Teria menos pressa e menos medo. Daria valor secundário às coisas secundárias; na verdade, bem poucas coisas levaria a sério. Seria muito mais alegre do que fui. Só na alegria existe vida. Manteria distâncias enormes das pessoas ciumentas e possessivas. Seria mais expontâneo. Correria mais riscos, viajaria mais, contemplaria mais entardeceres, subiria mais montanhas, nadaria mais rios. Seria mais ousado: A ousadia move o mundo. Iria a mais lugares onde nunca fui, tomaria mais sorvete e menos sopa, teria menos problemas reais e nenhum imaginário. Eu fui uma dessas pessoas que vivem preocupadamente cada minuto da sua vida; claro que tive momentos de alegria. Mas, se pudesse voltar a viver, tentaria ter somente bons momentos. A vida é feita disso: só de momentos, nunca percas 'O agora'. Mesmo porque nada nos garante que estaremos vivos amanhã de manhã. Eu era um desses que não ia a parte alguma sem um termómetro, um saco de água quente, um guarda-chuva ou um paraquedas; se voltasse a viver viajaria mais. Não levaria comigo nada que fosse apenas um fardo. Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço no início da Primavera e continuaria assim até o final do Outono. Jamais experimentaria os sentimentos de culpa e ódio. Teria amado mais a liberdade e teria mais amores do que eu tive. Viveria cada dia como se fosse um prémio. E como se fosse o último. Daria mais volta na minha rua; contemplaria mais amanheceres e brincaria muito mais do que brinquei. Teria descoberto mais cedo que só o prazer nos livra da loucura. Tentaria uma coisa nova todos os dias, se tivesse outra vez uma vida pela frente. Mas como sabem, tenho 88 anos e sei que estou morrendo.
" Viver a Vida, Jorge Luis Borges

22 comments:

sa.ra said...

ehehehhehe!

foi o que eu fiz também!

As bolhas são lindas!
tão efémeras e tão bonitas!

beijos!
dia muito feliz!

greentea said...

eheheheheh, sa.ra
tão longe e tão perto
tão diferentes e tão iguais
não sei de Borges sabe

mas voltamos CÁ tanta e tanta vez ....

um beijo

Maria said...

É um belo texto...
Ainda não ousei fazer tudo isto, mas um dia completo-me nestes conselhos....

Beijinho

as-nunes said...

Que rica vida!
E temos a mente dotada dessa capacidade?!...
Às vezes apetece viver assim...mas começamos a pensar nas consequências e não temos a força interior necessária para tal empreendimento. Perguntar-se-á: porque é que não somos capazes?
Bopa pergunta!...não sei qual poderá ser a resposta!
Nós somos assim e pronto. Que fazer?
Um abraço
António

Pitanga said...

Então toca a viver! Hoje vou andar descalça, que os pés me doem dentro daqueles sapatos. E vou ver bastante desenhos animados com a Julinha e rir muito. E uma bolinhas de sabão também não seriam de todo mau.

E os pais, hoje, dão brinquedos tão caros aos filhos. As bolhas eram tão divertidas.

Amaral said...

Este texto é um hino àquilo que sentimos, quando olhamos para trás e vemos (verdadeiramente) o potencial da Vida com que nos cruzámos!...
Só quando chegamos ao fim da estrada, nos damos conta que a estrada estava cheia de instantes de vida deslumbrantes.
Só nessa altura nos damos conta da cegueira que nos impediu de vivenciarmos tantos e tão bons momentos!...

amigona avó e a neta princesa said...

Hino à Vida minha querida! Espero que não te importes mas vou copiar...beijos...

greentea said...

maria


pois , às vezes tb não ouso muitas coisas


mas


há ousar !!!!!!!!!!!!!!!!!!

beijos

greentea said...

as-nunes

temoms...temos....

às vezes não sabemos

às vezes não queremos OUSAR

e incutem-nos isso desses peaqueninos (como aos pepinos)....
Um abraço e ousa!

greentea said...

pitanga

anda descalça anda nua faz o pino faz bolinha de sabão
adorava qd era miúda
e fazer jantarinhos e piqueniques com terra amassada e florinhas ou relva (grama) a fazer de esparregado ou salada
Asssim passávamos tardes inteiras até chegar a leiteira que trazia uma grande bilha de aluminio e media o leite em púcaros a que ela chamava "quartas"... por acaso vi essa cena num qualq documentário passado lá para os confins da Bolivia ou Colombia

hoje os meninos depressa se cansam de todos os brinquedos que fazem tudo e são carissimos!

Por tudo isso aproveita . Tu e Julinha!!!

greentea said...

amaral


é por isso que devemos (deviamos) aproveitar cada momento , cada instante....

é por isso tb que temos de CÃ voltar tanta e tanta vez ...


Um beijo para ti


e OUSA!!!

125_azul said...

Perfeitamente de acordo... Beijinhos

greentea said...

assim pudéssemos viver de cada vez que cá voltamos, 125

beijos

MIMO-TE said...

O meu avô querido viveu até à idade que tinha previsto, mas viveu sempre sorrindo para a vida, para os amigos e especialmente para mim. Adoro aquele homem, já não está cá fisicamente, mas a verdade é que o sinto muitas vezes e recordo-o sempre com um olhar meigo e vivo, um homem especial que vou adorar toda a vida. Os meus dois filhos, teem o apelido dele, porque eu quis, para que ele continue vivo neles. Eu acho que fazemos na vida o que temos que fazer, que o importante é viver cada segundo com doçura e prazer. Ninguem sabe quando parte. O meu doce avô partiu mas deixou-me os seus pensamentos positivos, a sua tranquilidade perante a vida, as suas ideias sempre originais e sábias, foi feliz e a sua felicidade mantem-se dentro de mim e eu vou espalhando por aí aquilo que com ele eu aprendi. O importante é a vida, não interessa a idade.

Muitos mimos e obrigada porque me permitiu homenagear o meu querido avô. Estamos a partilhar, que bom!

sorrisos da minha alma said...

Um post que me faz pensar muito...
Bjs grandes

Pandora said...

Não é tão fácil assim , pois a sociedade não deixa.
Mas se eu puder escolher o meu regresso á vida, então serei uma andorinha, para puder voar para outras terras distantes, e ser LIVRE!!!
Beijos.

Rodolfo N said...

Bellísimo texto de un grande que debió ser premio Nobel.
Beijos.

Isabel Santos said...

OLá!
Lindo texto que nos faz pensar na nossa própria vida e se temos sido justos para com ela. Tenho que reconhecer que não. Mas nunca é tarde para mudar...para ousar mais. No funddo para ser mais Feliz.
Beijinhos e um bom fim de semana.

Jonice said...

É um texto maravilhoso cuja fagulha acredito morar em cada coração dos seres que têm uma vida. No entanto, como nos mantemos distante desta essência e perto das sopas e calçados em todas as estações! Sua leitura frequente é indicada como excelente re-hidratante para a alma!

Beijinhos :)

Pepe Luigi said...

Palavras acertadas no intuito de ir acertando a vida.

Beijinhos

greentea said...

.

A COR DO MAR said...

Tao lindas estas bolas de sabão :)

Beijinho