Monday, September 23, 2013

Lagoa de Melides

Contemplava  o mar imenso daquela praia e revia a sua vida no desfazer de cada onda que chegava até à praia, na outra que em seguida se formava  e mais outra e outra e outra…

Era assim a vida, a sua vida. De repente, tudo tomava um novo curso não se sabia a dimensão de cada nova onda que se formava, o modo como se espraiava pela areia, como iria roçar-se nos seus pés,  se vinha doce ou agressiva para a deitar abaixo. As suas pernas agora não tinham força ou tinham muito menos. Ela que tanto gostava de mergulhar nas ondas de qualquer mar, agora ficava-se pela rebentação , pela frescura da maré , pela suavidade das ondas a desfazerem-se na praia. Ou  sentava-se simplesmente à beira-mar.
A sua vida mudara radicalmente desde aquele dia em que abriu o relatório médico e se debateu com a frontalidade dos termos técnicos : neoplasia maligna , carcinoma. Era um sábado, 28 de junho e nada mais podia fazer senão aguardar até segunda-feira. Mas telefonou para Cristina, médica sua amiga que igualmente tivera cancro. Explicou-lhe tudo e disse o que era urgente tratar.  Foi fazer todos os exames indispensáveis , sem se desesperar, sem verter uma lágrima, como se fosse fazer mais uma viagem ou apanhar mais um avião com destino desconhecido. Ouviu, escutou o que lhe disseram, leu, informou-se. E ensimesmada como é quando quer alcançar qualquer coisa, meteu na cabeça apenas uma ideia : - vou-me curar!
Começou a quimioterapia 24H/dia durante seis semanas e a radioterapia em simultâneo cinco dias  por semana. Todas as terças feiras fazia análises e mudava o reservatório da quimio, processo relativamente simples pois que tinha um implantofix.  Mas era doloroso entrar na sala da quimio, onde tantos pacientes chegavam a ficar três e quatro horas para fazer as suas sessões. Via-se gente de todas as cores, de todas as idades, velhos e novos, pretos e brancos, homens e mulheres. Ninguém falava entre si, ninguém queria falar do seu mal, da sua doença, alguns trocavam algumas frases com o familiar que os acompanhava, por vezes um filho, a esposa ou o marido, algum irmão; alguns levavam o almoço de casa , como aquele casal de idosos que vinha de muito longe, outros comiam do que as voluntários lhes ofereciam; alguns comeriam talvez ali a sua única refeição…
Aquilo chocava-a , muito mais que a sua doença. As suas análises estiveram sempre boas, o seu aspecto também, não perdeu um Kilo nem um cabelo. Mas cada semana que passava lhe custava mais e mais fazer o tratamento. A radio queimava-lhe a pele, a quimio provocou-lhe uma infecção intestinal traduzida num caudal permanente duma diarreia que não parava, impossível de controlar. A tensão arterial desceu a níveis  impensáveis e mal se tinha em pé; as análises estavam péssimas e o médico mandou suspender de imediato a quimio . Passou um dia no hospital a levar soros para recuperar.  À noite , estava de novo em casa, jantou qualquer coisa e ainda arranjou forças para ir passear os cães, para ir tratar do Leão da Rodésia abandonado na mata. Dormiu tranquila, sem o peso do frasco da quimio e o tubo sempre a bombar … Que alivio! Mais uma semana de radioterapia e tudo acabava. Mais análises , mais consultas e tudo estava dentro dos parâmetros “normais”.
- Só volta daqui a um mês para novas análises e novos exames, para marcarmos a cirurgia – disse o médico.  Vá de férias e aproveite estes dias para se recompor!
Foi o que fez. No dia seguinte, arrancaram para a Lagoa de Melides, um local calmo , tranquilo, com uma praia imensa, sem poluição, muito sossego, à parte o grasnar dos patos na Lagoa e das gaivotas, que não a proibiram de apanhar sol, nem de tomar banhos de mar, que evitasse  sim  as horas de sol mais forte, a exposição prolongada ao sol e que usasse um protetor 50 e que se alimentasse bem, muito peixe, muita fruta , muitos legumes e algum exercício, o que lhe fosse possível. Da casa avistava-se a Lagoa e a praia, o mar e ali mesmo ao lado havia um pinhal cheio de passarada, o que fazia as suas delicias. Cada dia era um novo dia para ela . Hoje já andava um pouco mais, já conseguia ir até à praia a pé, já não tinha tantas dores, a pele estava menos sensível, as queimaduras foram deixando de se sentir. Foi-se aventurando a entrar cada dia um pouco mais na água do mar. Não chegou a nadar nem a mergulhar porque não tem ainda forças para isso, mas aproveitou cada dia de sol e de mar, extasiou-se com o pôr do sol ou a lua cheia por entre os pinheirais, agradeceu ao Universo todas aquelas dádivas com que estava a ser contemplada. Contra os seus antigos hábitos, deitava-se cedo e dormia a sesta de tarde, descansava mais e aproveitava cada minuto de vida, cada oportunidade. E lia, lia sem cessar e estudava as personagens que lhe surgiam . Como o tempo tinha agora outro sentido , como eram por vezes longas as horas, levou consigo “O Quarteto de Alexandria”, um livro imenso em todos os sentidos mas que a deliciava.
Pensava em Sara, sua mãe, que morrera de cancro há mais de trinta anos atrás. E em Henrique que tivera cancro do pulmão e nos deixara aos trinta e sete anos. Lembrava José, com cancro da próstata, Cristina e Elisa com cancro da mama tal como a irmã de Milú. Mais recentemente, Isabel telefonara-lhe a dizer que António também tinha carcinoma e faria os mesmos tratamentos que ela e depois a mesma cirurgia. Lembrava esses e tantos outros, todos unidos por um  mesmo fio que as pessoas não entendiam. Mas não valia sequer a pena questionar porquê eu, porquê agora. ..
Cristina dizia que tínhamos de ser pragmáticos. Assim era . E tínhamos de aprender a viver de outra forma, a viver numa outra dimensão. E a dar testemunho. A falar da doença e do cancro e dos tratamentos sem tabus nem omissões ou palavras veladas a dissimular a essência da coisa. Tudo hoje é diferente de há trinta ou quarenta anos atrás, os tratamentos são outros, têm outras especificidades, as máquinas e os médicos dispõem de tecnologias inexistentes  outrora; a ciência evolui a cada passo com possibilidades infinitas. Nós e a nossa mentalidade também. A nossa determinação e a nossa postura  são decisivos também em situações destas. Mas sobretudo , falemos do assunto , clarifiquemos, deixemos sair o turbilhão de questões que nos avassalam, comuniquemos com os outros, com o Universo, com o Além, com as redes sociais através dos mails, dos blogues, dos facebooks para quem os tenha. Não deixemos calar a dor em nós, não permitamos que o pranto e o sofrimento nos invadam. Exteriorizemos!
                                                                                                                                  Saibamos aproveitar cada dia de sol, cada flor, cada sabor , cada perfume,
 cada onda do mar.






E inebriemo-nos com eles!

9 comments:

Lilá(s) said...

Curioso, minutos antes de ler o teu texto, falava ao telefone com uma amiga exactamente deste assunto! foi operada há cerca de um ano e continua lamentando-se "porquê ela?" dei-lhe o exemplo do meu cunhado que já tirou metade do fígado, um pedaço do intestino, e anulou por radioterapia dois caroços no pulmão. Está ali cheio de genica, porque não haja dúvida que as coisas evoluíram e de que maneira!! a minha irmã foi operada há um ano e agora está bem...tens toda a razão, falemos do assunto, somos tantos os que hoje em dia vive estes dilemas, e cada dia é um novo dia...
Ainda há muitas flores no jardim "inebriemo-nos"...um abraço apertado, e um grande beijinho

ps: não desapareças, vai dando noticias

Pitanga Doce said...

E o mar está aí todinho para ti. Avelãs de Ambom ainda nos espera.

beijos

greentea said...

pois , lilás... há tanta coisa à nossa volta para nos inebriar que não vale a pena ficarmos a pensar no porquê eu por causa de um "simples" tumorzeco q nos invadiu o organismo. Como dizia uma enfermeira outro dia , a radio frita isso tudo!!
Olhemos os lirios do campo, os pássaros, os pardais, afaguemos o gato da rua ou o cão abandonado que precisa de alimento e carinho que o resto logo se resolverá.
Beijos para ti
(às vezes tenho de desaparecer, qd me faltam as palavras ou qd o turbilhão destas coisas todas me deixa incapaz de escrever, de contactar)

greentea said...

sim Pitanga. Aproveitei o mar todinho num espraiar maravilhoso e doce, em fins de tarde de verão deliciosas de calmaria.
Em Avelãs estarei ma próxima semana, toda a semana.
Beijos a ti

© Piedade Araújo Sol said...

só posso dizer!

temos de viver a vida o melhor que soubermos e viver como se cada dia fosse o último dos últimos.

deixo um abraço apertado e um beijo

:)

greentea said...

é o que tento fazer em cada dia porque o amanhã é sempre desconhecido

um beijo para ti

Justine said...

A tua história é bela, pungente e impressionou-me muito, por várias razões. A primeira pela história em si, depois porque já fui muito feliz em Melides, e por fim o "Quarteto de Alexandria" é o livro que eu mais vezes li na minha vida e das obras literárias que mais admiro.

Justine said...

E acrescento, Greentea: admiro-te a coragem, a força, a capacidade de viver as cosas boas da vida mesmo quando se está a viver um drama...é uma lição que te agradeço!
Beijo

greentea said...

obrigada pelas tuas palavras , Justine. Mas a vida é feita assim de eternas surpresas e não podemos meter a cabeça debaixo da areia como o avestruz...
Saibamos aproveitar o que de bom temos, o sol, a chuva e o mar, a ternura de um carinho ou de um sorriso e ...a Lagoa de Melides em todo o seu explendor!
Dos outros males que nos afectam , troquemos palavras e experiencias para que seja mais fácil para todos os outros q vierem a seguir.
Um beijo para ti . E O Quarteto de Alexandria é delicioso!!