Monday, December 22, 2008

A brasa




Albert Einstein conta uma experiência interessante que serve para esse momento, estava num jardim, e dois meninos brincavam. Num dado momento um deles foi até uma fogueira quase extinta e com dois pauzinhos pegou uma brasa ainda incandescente e falou para o outro: quero que você carregue essa brasa, para outro lugar. O outro menino observou e ficou pensando. Einstein, observador, também ficou olhando esperando o que o menino faria com aquela situação que se apresentava como uma possibilidade de dor, de sofrimento. Eram amigos e dizer não a um amigo, a uma pessoa querida é difícil.Então, para surpresa do cientista, o outro menino pegou na fogueira um pouco de cinza já fresquinha, colocou uma quantidade na palma da mão e disse carinhosamente ao amigo: vamos coloque a brasa aqui em minha mão e seguiram os dois pelo caminho. A brasa protegida pela cinza, não queimava a mão do amigo. É isso, talvez a gente esteja necessitando dessa inteligência e amizade, para poder nos proteger da agudeza da vida.Sabe, as vezes amigos, outras criaturas ou mesmo os fatos da vida exigem e determinam situações de sofrimento em nossa vida, noutras vezes nós mesmos nos apunhalamos com atitudes insensatas, mas haverá sempre na fogueira de nossas dores um pouco de cinza fresca, que colocada em nossa alma, nos permitirá carregar nossos sonhos e projetos sem sofrimento.


E o Natal pode ser essa cinza e essa oportunidade para que você realize o seu encontro com a paz e com a felicidade.